Press "Enter" to skip to content

Como é bom ser brasileiro

Manhã de sábado, tráfego confuso, centro cheio. Sol. Ainda assim, levar a esposa para seus compromissos depois de deixar o filho no curso de inglês. Fazer o quê. Não consigo ganhar na sena. Fui.

Todas as vagas da rua ocupadas exceto a de deficientes e a de idosos e a de 15 minutos com o pisca alerta ligado. Vou demorar mais que isso.

Uma volta na quadra, duas, três. Finalmente uma vaga. Estaciono, coloco o cartão de estacionamento pego o celular, o cachimbo, sento na sombra a toco a estudar e esperar.

Na frente um bar.

No Rio chamaríamos de Pé Sujo mas, neste caso, está mais para pé imundo. Ainda assim, um bar. Linguiça oleosa e rançosa, bebidas e ovos coloridos.

De onde estou dá para ver o balcão. Um sr. de idade se arrasta de um lado para outro servido alguns gatos pinguços.

Saído do vazio mas andando como se fosse um piloto chega um carro. Uma pickup destas pequenas, com uma escada meio na caçamba meio no espaço vazio e estaciona na vaga de 15 minutos.

Bom dia…

Bom dia!

O  motorista sai atravessa a rua entra no bar pede uma linguiça uma cerveja e senta para comer e beber são 10 h. da manhã. Fique calado. Você não tem nada a ver com isso. Volto para o livro.

Menos de 20 minutos depois chega outro carro.  Um destes pequenos e caros. Estaciona na vaga de idosos e liga o pisca alerta e fica lá. Olha para mim, olha para o bar, olha para o prédio atrás de mim mas fica lá. Parado, na vaga de idosos. De pisca alerta ligado. Não tenho nada com isso… Foco… preciso terminar este livro hoje.

No bar o motorista da pickup pede mais uma. Cerveja é claro e um ovo, roxo.  Olha para fora, senta novamente e comenta com o sr. atrás do balcão. Não consigo ouvir, ambos olham na minha direção. Pronto desisto não leio mais.

Me recosto, cachimbo na boca e presto atenção na cena.

De uma lado da rua, o carro pequeno, na vaga de idosos, com pisca alerta ligado. Do outro lado da rua o bar, três ou quatro homens de meia idade conversando e apontando na direção da vaga de idosos.  O motorista da pickup pede mais uma branquinha. Deve ter sido para arrematar.  E sai do bar.

Passa do lado do motorista do carro pequeno e lança…

Não tem vergonha não? Parado na vaga de idosos.

Entra na pickup e sai dirigindo.

Como é bom ser brasileiro.